skip to Main Content

Unha Encravada

Introdução

A unha encravada é um problema extremamente comum que afeta jovens e adultos e causa um impacto negativo na qualidade de vida.

Os sintomas são dor, inchaço e inflamação com saída de secreção, quando o canto da unha fica “preso” embaixo da pele que o recobre.

Existem formas não cirúrgicas de tratamento, como tratamentos com podólogos, educação sobre formas corretas de se cortar e unha e cuidados com calçados e com atividades que causem traumatismos na unha. Porém, frequentemente, este tratamento é insuficiente pois a unha passa a apresentar uma anatomia que predispõe esta condição, razão pela qual algumas pessoas passam a vida toda dependentes de idas frequentes ao podólogo.

Nestes casos, é possível a realização de um procedimento cirúrgico específico que é capaz de eliminar o problema, chamado de cantoplastia, frequentemente realizado por cirurgiões plásticos ou cirurgiões de pé e tornozelo.

O que é unha encravada?

É uma condição em que o canto da unha penetra na pele que o recobre durante seu crescimento (se “esconde”, por isso o nome científico Onicocriptose, ou unha escondida), e acontece com mais frequência no lado de dentro da unha do hálux (dedão do pé). Se muito frequente, pode levar à formação de uma pele de aspecto inflamado e chamada popularmente de “carne esponjosa”.

Os sintomas que aparecem inicialmente são dor, dificuldade para calçar sapatos fechados e inchaço. Se o problema persiste, a região pode ficar avermelhada e pode-se observar a saída de secreção clara ou até mesmo pus. Nos casos mais crônicos, acontece a formação da carne esponjosa no canto da unha.

Unha Encravada Leve | Dra. Juliana Doering
Aspecto de unha encravada leve/ moderada na face interna do dedo.
Unha Encravada Grave | Dra. Juliana Doering
Aspecto de unha encravada grave, com presença de “carne esponjosa”.

O que causa a unha encravada?

Existem algumas causas para isso, são elas:

  • uso de calçados apertados na ponta, que traumatizam a ponta da unha;
  • realização de cortes arredondados ou irregulares nos cantos das unhas;
  • traumatismos nas unhas ou fraturas do osso que a apoia (falange) por esportes ou acidentes;
  • micose (infecções por fungos);
  • manter os pés úmidos ou doenças que aumentam o suor nos pés, como a hiperhidrose;
  • alterações congênitas (desde o nascimento) no formato das unhas (geralmente observa-se um padrão hereditário na família);
  • doenças como diabetes, obesidade, problemas renais ou de tireóide, que fazem com que os pés fiquem mais inchados ou inflamados, e diminuem a resistência do organismo às infecções.

Como é o tratamento?

Na maioria das vezes, principalmente nos casos leves e iniciais, o tratamento não requer cuidados médicos, e é possível procurar a ajuda de um podólogo para o cuidado da região e o ajuste do formato das unhas, além da educação de como prevenir novas ocorrências.

Na persistência dos sintomas e na presença de infecções, remédios como antiinflamatórios e antibióticos e pomadas podem ser prescritas por um médico.

Nos casos mais graves em que há agravamento ou recorrência dos sintomas, pode ser necessário procurar um cirurgião para avaliar o caso.

Corte correto da unha | Dra. Juliana Doering

Como funciona a cirurgia para unha encravada?

Existem várias técnicas possíveis para a correção, e o objetivo é retirar a parte da unha “escondida” sob a pele, para evitar que encrave novamente.

É uma cirurgia delicada, porém geralmente pode ser realizada em regime ambulatorial (ou seja, no consultório em salas específicas para procedimentos invasivos) ou em ambiente hospitalar em hospital-dia (em que não é necessária internação longa nem pernoite).

É uma cirurgia realizada em ambiente estéril e sob anestesia local. Não é obrigatória a sedação do paciente, porém é desejável para um maior conforto.

Após o procedimento o paciente vai para casa com um curativo fechado e é autorizado a caminhar utilizando sandálias pós-cirúrgicas, que devem ser mantidas por 2 a 3 semanas para proteção da ferida.

Pode ser feita nos dois pés ao mesmo tempo. O procedimento é seguro e, nas mãos de profissionais habilitados e experientes, tem um resultado duradouro.

Aspecto pós-operatório | Dra. Juliana Doering
Aspecto pós-operatório após 4 semanas de cirurgia.

Gostou? Compartilhe essas informações.
Confira outras lesões ou doenças mais comuns em pés e tornozelos. 

Perguntas dos Pacientes

1. O que acontece se não tirar a unha encravada?

Nos casos persistentes, a unha encravada pode infeccionar ou se tornar um processo crônico de inflamação de difícil tratamento sem cirurgia.

2. O que fazer com uma unha encravada?

Deve-se procurar ajuda de um especialista logo no início dos sintomas, para que se corrija os fatores causadores. Em casa, pode-se aplicar gelo e evitar o uso de calçados que apertem a região.

3. Quanto tempo dura uma unha encravada?

A inflamação pode durar poucos dias (inflamação aguda), se tratada prontamente. Nos casos mais graves ou negligenciados, a inflamação pode durar semanas ou até mesmo meses (inflamação crônica).

4. É normal desencravar a unha e ficar doendo?

Sim, os procedimentos para desencravar a unha (especialmente os realizados por podólogos) são localmente agressivos e causam por si só uma inflamação local temporária. Então, é normal sentir alguma dor logo após o procedimento, porém esta geralmente diminui nos dias subsequentes.

5. Quando a unha encravada precisa de cirurgia?

Quando as visitas ao podólogo tornam-se insuficientes para corrigir o problema, quando ocorrem recidivas frequentes (a unha encravada “volta”sempre), ou quando o quadro é acompanhado de uma infecção grave, com muita secreção e muita vermelhidão, além de cheiro forte.

6. Quanto tempo dura a cirurgia de unha encravada?

Em geral, aproximadamente meia hora. É possível operar os dois pés ao mesmo tempo.

Referências:

Canale e Beaty, Campbell’s Operative Orthopaedics, 12th ed, 2013: Cap 87 – Disorders of Nails and Skin

Acervo do autor

Back To Top